Neste sábado, 19/11, Programa inédito Rock CPT com o especial da band
Programa inédito Rock CPT com o especial da banda Triúno. ...
Seminário Concórdia realiza Simpósio de Missão Internacional
A minha igreja está na cidade - Uma visão multifacial da missão da Igreja na cidade ...
Mensagem do presidente da JELB sobre seus 91 anos
O jovem Gadiel Baminger, presidente da Jelb, fala sobre a celebração dos 91 anos da Jelb ...
45º Congresso Nacional da JELB e 1º Encontro Latino Americano
Programação conjunta será de 17 a 22 de janeiro de 2017, em Governador Celso Ramos, SC ...
Banda Herdeiros - Povos, Cantai! Nasceu Jesus
"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito ...
HeartSong Cedarville University - A Mighty Fortress
A música Castelo Forte, de Martinho Lutero, numa versão contemporânea ...
Fernandinho - Música: Galileu
Galileu, o novo CD do Pr. Fernandinho, traz canções, cujas mensagens nos reportam ao ponto mai ...
Projeto Líder de Louvor - Ver aonde vou
Como um pai que educa o filho, Ele nos ensina a caminhar, mostra que nós temos um lugar. Ver o ...
foto: Internet
Uma opinião sobre Ecumenismo
Escrito em: Outubro de 2003, durante curso de teologia

Efésios 4:3 “esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz”

Ao falarmos de Ecumenismo partimos do pressuposto que há diferentes interpretações do termo. Algo ecumênico pode referir-se a alguma coisa eclesiástica válida universalmente, por exemplo: os Credos Ecumênicos. Também podemos entender ecumenismo como uma ação missionária global, ou como relações entre duas ou mais igrejas cristãs de diferentes denominações, ou ainda como o desejo de unidade entre os cristãos. Para os mais liberais, há uma proposta ousada que expressa o desejo de unidade entre os “homens de boa vontade”, ou seja, unidade tanto entre cristãos como não-cristãos, chamada Macroecumenismo.
O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) diz que: “ecumenismo é tudo que está relacionado com toda a tarefa de toda a Igreja para levar o Evangelho a todo o mundo”. O conceito é interessante, no entanto, o CMI tem propostas das quais temos que discordar. Tais como: a ação ecumênica tridimencional: a) busca da Unidade entre cristãos; b) Luta pela justiça (justiça como expressão do amor de Deus nas estruturas da sociedade; c) diálogo com outras religiões.
Há duas posições diferentes sobre Unidade:
- A “Unidade na Diversidade” que é o grande slogan dos movimentos ecumênicos contemporâneos que propõe que as questões doutrinárias não têm tanta importância a ponto de dividir as igrejas. Que pode haver uma tolerância em prol de um objetivo comum: união dos cristãos para pregar o evangelho;
- Na verdade a Unidade já existe. A Unidade é a manifestação visível da Comunhão do Corpo de Cristo. Só há uma santa igreja cristã na terra. Essa comunhão é invisível, trazida pelo Espírito Santo. Todos quantos tem a fé no coração (fides qua) estão em comunhão espiritual com Cristo e com os demais crentes. Aqui se dá a Unidade permanente.
Defendemos essa comunhão invisível da Igreja, ou seja, a fé em Cristo, dada pelo Santo Espírito, que opera através do Evangelho. A verdade do Evangelho deve ser encontrada exclusivamente na Escritura. A edificação dos membros do corpo de Cristo se dá pelo conhecimento da verdade, com diálogos de amor. Deus ordena que a fé apostólica, assim como é ensinada na Escritura, seja confessada por causa da edificação e crescimento da Igreja. Só haverá uma Unidade Externa, ou seja, a Unidade entre as denominações cristãs (igrejas enquanto corpo material e administrativo), quando houver uma concordância na fé que é confessada (fides quae) conforme ensinada na Bíblia, e não pela fé no coração (fides qua). Ou seja, a nossa confissão de fé não pode ser negligenciada, pois temos um compromisso com Cristo, com a verdade bíblica e com o santo Evangelho. Tomando por base esse argumento, fica difícil ignorar as questões doutrinárias que dividem as denominações. Se não houver acordo quanto à fé confessada, também não haverá acordo visível.
Ao meu ver, uma outra concepção errada é a posição que a Igreja Católica Apostólica Romana assume de considerar-se como a expressão visível do corpo de Cristo na terra, ou seja, a única Santa Igreja. Com isso, sua visão de ecumenismo aponta para o retorno dos “irmãos separados” para a Igreja Católica. Essa é a mesma posição da Igreja Ortodoxa Oriental. Para eles, não há outras igrejas. Como já argumentei, há uma Santa Igreja Cristã através da fé que temos em Cristo, e há diversas denominações que não estão unidas visivelmente devido às divergências doutrinárias. Essas divergências existem, por que cada denominação assume uma linha hermenêutica, e essas diferentes formas de interpretação bíblica impedem a concórdia (expressão visível da unidade permanente dada pela fé).
O que tentei demonstrar até agora é que, no que se refere à Unidade visível das denominações cristãs, o máximo que podemos fazer é dialogar com amor, pois dificilmente poderemos chegar a um acordo sem abrirmos mão daquilo que acreditamos estar fiel com a Bíblia. Nenhuma denominação abrirá mão do compromisso que assumiu com a verdade contida no Evangelho. No entanto, na busca do diálogo ecumênico, nós é que devemos tomar a iniciativa, ir ao encontro das demais denominações. Isso precisa ser feito em nível de Sínodo, em nível de igrejas nacionais e em nível de congregações estabelecidas nos diversos municípios da IELB. Expor com clareza nossa confissão de fé e tirar eventuais dúvidas e preconceitos que outros tenham de nós. O Dr. Charles Arand diz que podemos presentear a cristandade com a Confissão de Augsburgo e com os 3 Credos Ecumênicos. Também, é preciso se aproximar de outras denominações esperando receber alguma contribuição que elas tenham para compartilhar. Seria muita pretensão nossa, como IELB, imaginar que só nós temos coisas boas para dar. Vejo que a IELB precisa trabalhar mais com seus membros uma compreensão melhor sobre o ecumenismo, assumir uma posição clara e também incentivar a busca desses diálogos ecumênicos.
Além do diálogo, sou favorável a iniciativa do ecumenismo a partir de suas idéias práticas. São elas: a) uma força para o Testemunho; b) a Defesa do Cristianismo; c) Influência dentro da Sociedade. Isso demonstra que pode haver formas de cooperação entre Igrejas em situações especiais, desde que não haja testemunho de Unidade de fé confessada. O trabalho ecumênico em nível de ações sociais e cívicas tem dado bons resultados. As igrejas são vistas com mais respeito e a influência da Palavra de Deus se torna mais presente. Uma proposta seria incentivar a criação de Centro Ecumênicos que serviriam de referência do cristianismo como um todo em trabalhos na sociedade. Representatividade frente às Escolas públicas e particulares com palestras e ensino religioso, incentivando a predominância do cristianismo; frente aos Hospitais, com visitas e aconselhamentos; frente ao Poder Público, em inaugurações e celebrações religiosas (desde que não houvesse ritos sacramentais); frente a projetos de Ação Social, com trabalhos de restauração do indivíduo como um todo, e outros mais.
Outra idéia de trabalho ecumênico que não interfere em conflitos doutrinários é a participação em eventos musicais onde o evangelho está sendo pregado desta maneira. A Palavra de Deus é pregada. O Espírito Santo age também desta forma. O propósito é atingir o que está perdido. As denominações envolvidas compartilham do mesmo propósito. Porém, não se entra em questões doutrinárias divergentes, nem se expressa uma Unidade de fé confessada. Destaco que tenho interesse particular nesta possibilidade de trabalho por atuar com a música dentro da igreja.
Concluindo, acredito que as divergências doutrinárias infelizmente depõem contra a Igreja Cristã e contra o Evangelho. Certamente isso não é o ideal. Porém, reafirmo o compromisso que cada cristão tem com a verdade do Evangelho, e nela implica não ensinarmos o que a Bíblia não diz. Por isso, segundo nossa convicção, é melhor mantermos nossa confissão de Fé e trabalharmos o ecumenismo com o diálogo respeitoso e com um ideal prático que não fira nossa visão doutrinária e bíblica.
Wagner Jann
Trabalho acadêmico para o curso de Teologia da Universidade Luterana do Brasil.
domingo, 21 de julho de 2013

Comente este post!

Teófilos.Net
Teófilos.Net - Um Site para os Amigos de Deus
Compartilhando: Conhecimento Bíblico - Artigos Teológicos - Conteúdo Cristão
E-mail: wagnerjann@gmail.com
2009-2017 - Todos os Direitos Reservados - Teófilos.Net
Desenvolvido por: Wagner Jann